Integrantes/Adriana Schneider

Adriana Schneider

Adriana Schneider Alcure – É atriz, diretora, escritora, pesquisadora de teatro, professora adjunta do Curso de Direção Teatral da UFRJ e mãe da Flora. Iniciou sua vida no teatro com 10 anos de idade, quando entrou para o curso de teatro da AABB, ministrado por Celso Terra, que também fazia shows em boates de Copacabana. Depois de uma breve, mas intensa passagem pela televisão no programa infantil LupuLimpimClápláTopo, compreendeu que o teatro seria o seu caminho. Sempre pertenceu a grupos de teatro. No Grupo Pedras, atuou em “Restin”, dirigiu e fez a dramaturgia de “O Muro”, dirige e atua em “O reino do mar sem fim”. A Companhia Atores de Laura foi a grande escola, esteve ali desde a sua fundação até o ano 2000, tendo feito “A entrevista”, “A casa bem assombrada”, “A flauta mágica”, “As rosas de Nossa Senhora”, “O mundo não me quis”, “Auto da Índia ou Arabutã” e “Pessoas”. Por querer entender  e experimentar o Brasil, a América Latina e a diversidade de culturas, andou muito pelas estradas adentro e a fora. Encontrou nas expressões populares brasileiras o manancial criativo inspirador. Depois de formada em jornalismo na PUC-RJ (1994), trabalhou um ano no Acre, fazendo teatro nos seringais com a atriz Karla Martins, vivendo de perto a realidade amazônica. Brinca no Boi Cascudo desde 1997. Participou da adaptação para o teatro do Pastoril da Matriz. Lançou-se na busca do mamulengo e do cavalo-marinho pernambucanos e, desde 1996, os acompanha de perto. Fez mestrado em teatro na UNIRIO (2001) com a dissertação “Mamulengos dos Mestres Zé Lopes e Zé de Vina: etnografia e estudo de personagens”. A antropologia sempre esteve presente na sua formação, tornando-se, em 2007, doutora pelo IFCS / UFRJ, tendo passado um ano com bolsa sanduiche DAAD / CNPq estudando em Berlim. Também recebeu bolsa para pesquisar nos arquivos do Instituto Internacional da Marionete, em Charleville-Mézières, na França. Sua tese, “A Zona da Mata é rica de cana e brincadeira: uma etnografia do mamulengo”, será em breve editada em livro. Em 2008, pesquisou a cena teatral brasileira do século XIX, através do lundu, com bolsa de Pós-Doutorado do CNPq. Atualmente estuda música.